Tratados

Dois dedos de conversa sobre Merkel e os imigrantes

Para perceber o contexto das importantes declarações de Angela Merkel acerca da integração de minorias, é indispensável ler uma série de posts de Helena Araújo no blog 2 Dedos de Conversa. Fala quem sabe. Bela revelação e a melhor notícia do dia.

Anúncios

Outubro 21, 2010 Posted by | Sem categoria | | Deixe um comentário

ANÁLISE:: Proibição da burqa em França

O Conselho Constitucional francês pronuncionou-se na passada quinta-feira acerca da compatibilidade entre a lei que proíbe a utilização de burqa (véu integral que cobre o rosto) em locais públicos e a Constituição francesa. Ainda que muitos analistas tivessem previsto a pronúncia de inconstitucionalidade da lei, o Conselho fez precisamente o contrário: recomendou a aprovação da lei pelas instituições legislativas francesas, por considerar que aquela não viola a constituição.

O que está em causa aqui não é a religião ou a intolerância relativamente a algo diferente. É justamente o contrário: é a sociedade e a intolerância relativamente a algo socialmente inaceitável. Ao estipular multas de 150 euros para mulheres que violem a lei e de até 30 000 euros e um ano de prisão para quem as force a usar a burqa, a lei claramente coloca o foco na questão da liberdade da mulher, que é aquilo que o uso da burqa mais infringe. Além disso, o Conselho Constitucional referiu que a proibição do uso da burqa não deverá alargar-se aos locais de culto, exactamente por tal poder ferir a liberdade de culto. Aí sim, nas mesquitas, é de religião que se trata, e como tal, a proibição da burqa pode ferir a liberdade de culto.

Totalmente de acordo. Numa altura em que o Governo francês tem actuado de forma censurável relativamente aos ciganos, a autoridade guardiã  da Constituição francesa não se furtou às questões difíceis desta lei e colocou o foco na questão principal relativa ao uso do véu integral: a liberdade da mulher. Não se trata de proibir sinais de culto afectos aos islão (o véu islâmico não é proibido). Não se trata de atentar contra a liberdade religiosa ou a violação da laicidade do Estado. Trata-se de proibir uma prática que é socialmente censurável. É apenas isto. Sem dramas.

Outubro 11, 2010 Posted by | Sem categoria | | 8 comentários

Eu também votava a favor

Com uma diferença destas, é mais difícil considerar-se esta ainda uma questão fracturante na política francesa. Numa sociedade em que tudo se discute e disputa, esta votação tem uma explicação simples: a norma aprovada é óbvia.

BREAKING: French Senate approves burka ban, 246:1
(via Islam in Europe)

The French Senate passed the anti-burka bill into law today. 246 Senators voted for, 1 against. The bill prohibits wearing the burka in public and fines all violators.

The bill was approved by the lower house in July. It’s next hurdle will probably be the Constitutional Court.

Setembro 14, 2010 Posted by | Sem categoria | | 1 Comentário

Extrema-direita sempre a subir

Na Holanda, as eleições de ontem atribuiram ao PVV de Geert Wilders 24 lugares no Parlamento, e deverá entrar nas negociações para a constituição de um governo de coligação. Veja-se abaixo qual é, em 7 palavras, o seu programa:

The PVV went up from nine to 22 seats [now 24]. “It means that we’re definitely the biggest winners today, yes!” This total number of seats means that about 1.5 million Dutch voted for his party, Wilders said. “More security, less immigration and less Islam is what the Netherlands voted for.”

 

Junho 10, 2010 Posted by | Sem categoria | , , | 2 comentários

O Código Penal Belga não deixou

Conforme havia sido anunciado aqui, a realização de uma manifestação em Bruxelas contra a proibição da burqa estava prevista para o passado sábado, dia 22. A linguagem e a retórica que lhe estavam associadas deixou-me estupefacto, mas o bom senso e o Estado de direito prevaleceram. Não houve manifestação, porque os sistemas legais das democracias ocidentais não permitem estes discursos de ódio. Lamentavelmente, teve de ser o lamentável “Vlaams Belang” (partido flamengo de extrema-direita) a agir judicialmente – e a conseguir um crédito que, com toda a certeza, depois transformará em retórica islamofóbica. Aqui está um bom exemplo da complexidade da matéria e da dificuldade em tomar partido de forma consciente sem cair na tentação do populismo. A manifestação era inadmissível, os argumentos que generalizam preconceitos islamofóbicos também. Em questões como a presença islâmica na Europa, o terreno é minado; mas faz-se, desde que se saiba que não há “branco” e “preto” – há muitos cinzentos.

Maio 26, 2010 Posted by | Sem categoria | , , | Deixe um comentário

Venham todos, que vai haver “sangue nas ruas”

Há uma nova organização extremista muçulmana em ascenção no espaço político e social belga. Chama-se, sintomaticamente, Muslim Rise, e no próximo fim-de-semana irá organizar um protesto contra a proibição de uso de burqa ou chaddor na Bélgica. Este adereço usado pelas muçulmanas apenas deixa visíveis os olhos de quem os usa, e é diferente, portanto, do hijab, o lenço que cobre as suas cabeças mas deixa a cara descoberta. Debato esta questão recorrentemente com colegas, amigos, e comigo mesmo, e tive dificuldade em chegar a uma posição. Mas cheguei, e concordo com as autoridades belgas. Aliás, os organizadores desta manifestção apressaram-se a resolver o problema daqueles que ainda hesitavam: no Sábado estará em Bruxelas, ao seu lado, uma estrela do islão radical britâncio, Anjem Choudary, que vem trazer visibilidade ao evento. O que ele disse? Que haverá centenas de muçulmanos britânicos a caminho de Bruxelas, e que haverá sangue nas ruas. Isso mesmo. Esse mesmo que disse ao Times “I’m smiling because sharia is coming“, ou que disse que Sayeeda Warsi “não era muçulmana”, era um côco, castanha por fora e branca por dentro“, avisando candidamente que a baronesa corre perigo. Sayeeda Warsi é neste momento dirigente do Partido Conservador e Ministra sem pasta do governo de Cameron. Podia ser um exemplo para muitos muçulmanos, mas pelos vistos não é para todos. Na sua Carta sobre a Tolerância, John Locke dizia que, entre os muito poucos que não merecem tolerância, estão os intolerantes. 350 anos depois, subscrevo plenamente.  

Maio 16, 2010 Posted by | Sem categoria | | 2 comentários

“Mega Prós e Contras” sobre a Europa e os seus muçulmanos

O Público de hoje traz mais uma excelente reportagem de Alexandra Lucas Coelho, desta feita relativa a um mega-debate ocorrido em Londres sobre o tema da presença muçulmana na Europa. Como refere a Alexandra, foi uma espécie de “mega Prós e Contras”, em que, num Teatro londrino, perante 800 pessoas, Tariq Ramadan e Petra Stienan, por um lado (a favor), e Douglas Murray e Flemming Rose, por outro (contra), debateram a moção “A Europa está a deixar ficar mal os seus muçulmanos” (Europe is failing its Muslims).

Após o debate, que se baseou em argumentos que podem ser aferidos na notícia e neste post de Martin Rose, do British Council, a tendência inicial da votação alterou-se e a moção foi rejeitada – tanto devido à má formulação da pergunta (que, no fundo, generaliza os muçulmanos, colocando-os todos ao mesmo nível) como à capacidade retórica de Murray, como ainda, eventualmente, à própria força dos argumentos utilizados.

Do ponto de vista analítico, a votação vale pouco, naturalmente, mas é interessante questionar se o resultado obtido seria igual se o debate fosse noutros países. Em todo o caso, do ponto de vista social, é uma boa iniciativa que gerou uma discussão com um tom progressivamente pacificador – ainda que o formato adoptado fosse dado a populismos. Não se pode ter medo do debate, e conhecer os argumentos de quem discorda da nossa opinião é sempre um bom caminho para formar uma opinião mais fundamentada.

Foto: Site do Projecto Our Shared Europe, do British Council.

Fevereiro 28, 2010 Posted by | 1 | | Deixe um comentário

Minaretes

“És árabe, és preto, não prestas.”

“Nós temos de andar à guerra porque eu sou cristão e tu és árabe.”

Estas pérolas foram proferidas em duas escolas de Lisboa, em direcção a crianças de 5 e 7 anos, e vêm reproduzidas no Expresso de hoje. Tudo bem que os muçulmanos em Portugal apresentem níveis de integração superiores aos verificados em grande parte dos países europeus. Mas convém ter presente que existem casos de islamofobia aqui.

Dezembro 5, 2009 Posted by | 1 | , | 3 comentários

   

%d bloggers like this: